“Tenho fé que vai ser melhor que antes”, diz fiel que rezou em frente à igreja no 1º dia de lockdown em Franca

No primeiro dia de lockdown em Franca (SP), quem passou pela igreja Nossa Senhora da Conceição, nas primeiras horas desta quinta-feira (27), deparou com uma cena que chamou a atenção. Uma mulher estava ajoelhada em frente à Catedral, absolutamente em oração.

Maria Helena se ajoelha para rezar no primeiro dia de lockdown, em Franca. (Foto: Thiago Garcia)

Em meio ao silêncio que tomou conta das imediações da praça, algo incomum em dias normais, Maria Helena da Silva Bastianini, de 59 anos, falou à reportagem do Palavra Franca, sobre o momento vivido com a pandemia de Covid-19 na cidade e o sentimento de não poder entrar na igreja. “É muito triste. Eu não esperava que iria passar por isso, mas a gente tem que respeitar. Primeiramente que seja feita a vontade de Deus e depois a do homem aqui na Terra e ter fé que isso tudo vai passar”, contou a mulher após a oração.

Para Maria, as pessoas precisam olhar para o que realmente estão vivendo e que tudo isso parece ser um ‘sinal’ para que as coisas possam mudar. “Antes, é como se a gente estivesse cego, mudo e surdo. Precisou acontecer isso para a gente ver a gravidade que está a desigualdade”, ressaltou.

Perguntada sobre o que ela espera daqui para frente, não hesitou. ” Espero que tudo isso passe, a gente vai viver e tenho fé que vai ser melhor que antes”, completou.

Horas após o prefeito Alexandre Ferreira (MDB) anunciar o lockdown, o Bispo Diocesano, Dom Paulo Roberto Beloto, emitiu um comunicado às paróquias que deverão permanecer fechadas e as celebrações religiosas devem ser realizadas na modalidade online e com equipe restrita. O documento ressalta ser uma “atitude necessária pela vida”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *