Mísseis russos atingem Kiev; presidente pede ajuda

Prédios destruídos após ataques russos na Ucrânia (Foto: Reuters/Direitos Reservados)

Mísseis atingiram a capital ucraniana nesta sexta-feira (25), enquanto forças russas avançam. O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, pediu à comunidade internacional que faça mais e afirmou que sanções anunciadas até agora não são suficientes.

As sirenes de ataque aéreo soaram na cidade de 3 milhões de pessoas, algumas delas abrigadas em estações de metrô, um dia depois que o presidente russo, Vladimir Putin, iniciou a invasão que chocou o mundo.

Autoridades ucranianas disseram que uma aeronave russa havia sido abatida e se chocado com edifício em Kiev durante a noite, incendiando-o e ferindo oito pessoas

Um alto funcionário ucraniano afirmou que as forças russas devem entrar em áreas fora da capital mais tarde, nesta sexta-feira, e que as tropas ucranianas defendem posições em quatro frentes, apesar da desvantagem numérica.

Janelas foram destruídas em bloco de apartamentos de dez andares, perto do aeroporto principal de Kiev, onde uma cratera de dois metros cheia de escombros mostrou o local atingido por disparo de artilharia antes do amanhecer. Um policial disse que pessoas foram feridas, mas não mortas.

“Como podemos passar por isso no nosso tempo? O que devemos pensar? Putin deveria queimar no inferno junto com toda sua família”, disse Oxana Gulenko, enquanto limpava vidros quebrados de seu quarto. Um vizinho, o veterano do Exército soviético Anatoliy Marchenko, 57 anos, não conseguiu encontrar seu gato que havia fugido durante o bombardeio.

“Conheço pessoas lá, são meus amigos”, disse ele sobre a Rússia. “O que precisam de mim? Uma guerra chegou à minha casa e pronto.”

Testemunhas disseram que explosões estrondosas puderam ser ouvidas em Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia, perto da fronteira com a Rússia, e sirenes de ataque aéreo soaram sobre Lviv, no Oeste. As autoridades relataram fortes combates na cidade de Sumy, no Leste.

Alvo número um

Dezenas de milhares de pessoas fugiram, enquanto explosões e tiros abalaram as grandes cidades. Dezenas de pessoas foram consideradas mortas. Tropas russas capturaram a antiga usina nuclear de Chernobyl, ao norte de Kiev, enquanto avançavam sobre a cidade procedentes da Bielorrúsia.

A agência nuclear da Ucrânia disse que registrou aumento dos níveis de radiação na extinta usina.

O presidente Volodymyr Zelensky afirmou que as tropas russas estavam atrás dele, mas prometeu permanecer em Kiev.

“O inimigo me marcou como alvo número um”, disse Zelenskiy em mensagem de vídeo. “Minha família é alvo número dois. Eles querem destruir a Ucrânia politicamente, destruindo o chefe de Estado.”

A Rússia lançou invasão por terra, ar e mar nessa quinta-feira, após declaração de guerra de Putin, no maior ataque a um Estado europeu desde a Segunda Guerra Mundial.

Putin considera a Ucrânia um Estado ilegítimo esculpido fora da Rússia, visão que os ucranianos veem como tentativa de apagar sua história de mais de mil anos.

Os objetivos completos do líder russo continuam obscuros. Ele diz que não planeja ocupação militar, apenas quer desarmar a Ucrânia e remover seus líderes. Mas não está claro como um líder pró-russo poderia ser instalado sem obter controle sobre grande parte do país. A Rússia não divulgou nomes e ninguém se apresentou.

Depois que Moscou negou, durante meses, estar planejando uma invasão, a notícia de que Putin havia ordenado o ataque veio como um choque para os russos, acostumados a ver seu governante, no poder há 22 anos, como um estrategista cuidadoso. Muitos russos têm amigos e familiares na Ucrânia.

A Rússia reprimiu a dissidência interna no último ano, e os principais inimigos políticos de Putin foram presos ou fugiram. A mídia estatal tem caracterizado incessantemente a Ucrânia como ameaça. Mas mesmo assim, milhares de russos saíram às ruas para protestar contra a guerra, e centenas foram rapidamente presos.

Uma estrela pop postou vídeo no Instagram se opondo à guerra, e o chefe de um teatro estatal de Moscou renunciou, dizendo que não aceitaria seu salário de um assassino.

Nação democrática de 44 milhões de pessoas, a Ucrânia votou pela independência na queda da União Soviética e, recentemente, intensificou os esforços para aderir à aliança militar ocidental Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e à União Europeia, aspirações que enfurecem Moscou.

Os países ocidentais anunciaram sanções financeiras a Moscou, vistas como muito mais fortes do que as anteriores, incluindo a colocação de seus bancos em listas negras e a proibição de importação de tecnologia. Entretanto, eles não anunciaram a saída da Rússia do sistema SWIFT para pagamentos bancários internacionais, o que gerou forte reação de Kiev, que diz que medidas mais sérias devem ser tomadas.

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) deve votar ainda hoje proposta de resolução que condena a invasão e exige a retirada imediata de Moscou, embora a Rússia tenha poder de veto sobre a medida. A China, que assinou tratado de amizade com a Rússia há três semanas, recusou-se a descrever as ações de Moscou como invasão.

A Rússia é um dos maiores produtores de energia do mundo, e tanto ela quanto a Ucrânia estão entre os maiores exportadores de grãos. A guerra e as sanções vão afetar as economias de todo o mundo.

Os preços do petróleo e dos grãos subiram. Os mercados de ações em todo o mundo estavam, em sua maioria, se recuperando nesta sexta-feira.

Fonte: Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *